A Comissão de Prevenção e Combate à Violência nos Estádios da Paraíba havia recomendado aos clubes e a Federação Paraibana de Futebol (FPF) a realização de cinco jogos de portões fechados, ou seja, sem a presença de torcedores na primeira rodada da Segunda Divisão do Campeonato Paraibano.

Porém, alguns clubes não levaram a sério e mesmo assim comercializaram ingressos e o torcedor se fez presente em estádios com laudos vencidos e reprovados pelos órgãos de segurança. Torcedores puderam ser vistos nos estádios Titão (Lagoa Seca), Almeidão (João Pessoa) e Pereirão (Pombal).

Por causa do descumprimento, o procurador do Ministério Público Valberto Lira garantiu que acionará o Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba (TJDF-PB), para que os dirigentes possam responder pelos atos.

“Quem fez isso infringiu o Estatuto do Torcedor e como é uma Lei, alguém precisa ser responsabilizado pelos atos cometidos. Nós fizemos a recomendação e mesmo assim houve a desobediência. Infelizmente muito disso é reflexo do atual momento que o futebol da Paraíba vive em nível de organização, mas não podemos tolerar ou simplesmente achar isso normal”, ressaltou Valberto.

Segundo Lira, o MP-Procon – através do promotor Glauberto Bezerra – também será acionado e um dos pedidos será para que, por causa do descumprimento, os clubes fiquem proibidos de receber público em seus jogos até o final da competição.

Outro detalhe, de acordo com Valberto, é que as entidades que destinam recursos públicos a estes times também serão comunicadas do fato, para que possam suspender o repasse destas verbas.

Caso a celeuma não consiga ser resolvida em âmbito estadual, Lira garantiu que vai até o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o que pode fazer com que este caso se transforme em jurisprudência para outras competições em nível nacional.

“Se o caso não for resolvido na instância paraibana, com certeza levaremos o caso ao Rio de Janeiro. O Estatuto do Torcedor existe, foi descumprido e quem fez isso precisa ser responsabilizado”, falou.

Os clubes

O CORREIO tentou contato com os representantes do Spartax João Pessoa, Sport Club Lagoa Seca e Nacional de Pombal, que foram os clubes mandantes, mas não obteve êxito.